BESTIÁRIO: APARIÇÕES


Aparições em nosso mundo geram debates e muito documentário sensacionalista e, não tente me enganar, se você estiver lendo isso sozinho a noite, vai pensar duas vezes em olhar por cima do ombro.

Porém, com um panteão tão vasto de monstros e seres a nossa disposição, elas raramente são aproveitadas como um grande desafio para os aventureiros. As informações a seguir são do Bestiário de D&D 3.5, focado nas informações que podem te ajudar a adaptá-lo para o sistema da sua campanha.



Aparições são criaturas incorpóreas nascidas do mal e das trevas e desprezam todas as coisas vivas e a luz que as protege.

Em alguns casos, a silhueta horripilante de uma aparição parece envolta por uma armadura ou brandindo certos tipos de armas, refletindo apenas a forma que ela tinha em vida.

Com um toque mortífero, enfrentar esta criatura corpo a corpo é uma atitude temerária que você irá querer rever.


DRENAR CONSTITUIÇÃO: Qualquer criatura viva atingida pelo toque incorpóreo de uma aparição deve obter sucesso num teste de resistência ou sofrerá danos permanentes de Constituição.
Aparições possuem uma Aura antinatural e qualquer animal, seja domesticado ou selvagem, pode detectar sua presença. A luz solar é uma grande aliada, deixando as aparições impotentes.
CRIA: Qualquer ser vivo morto por uma aparição se tornará uma delas após alguns turnos. O corpo se manterá intacto e inerte, mas o espírito se desprenderá sofrendo a transformação.


Há ainda outro tipo mais aterrador de aparição, nomeadas de Aparições Tórridas. Enquanto uma aparição comum tem o tamanho de um ser humano, esta é quase do tamanho de um ogro! Aparições Tórridas são mais antigas e malévolas e conseguem detectar vida.

Em todo caso, é melhor correr e se esconder até a luz do sol surgir.


0 comentários:

Postar um comentário